Como são feitas as traduções da Bíblia?

Texto Revisto e Atualizado em 21/11/2019 – 2ª Edição.

Luiz Sayão:”Os principais manuscritos que são a base de todas as versões bíblicas [do Antigo Testamento] são os do Texto Massorético“. (Imagem: Reprodução Igreja Batista Nações Unidas – Youtube).

Este tema não é comum no nosso dia a dia, mas é muito importante sob diversos aspectos, inclusive no enfrentamento de questões quanto a validade das Escrituras como fonte fidedigna de fundamentação da fé cristã.

Tais questionamentos costumam acontecer quando pregamos o evangelho para pessoas que ouvem ou leem sobre a origem dos manuscritos e, por não terem outra base, acabam aceitando como verdade.

Um ponto importante a se considerar é que os originais de fato não foram preservados. Quando falamos em manuscritos originais estamos nos referindo às milhares de cópias que preservaram a mensagem bíblica no decorrer dos séculos.

Segundo a Sociedade Bíblica do Brasil, “os documentos originais da Bíblia, chamados de autógrafos, não foram preservados. Tudo que se tem são cópias, antigas, com certeza, mas não os autógrafos. No entanto, numa comparação com outros textos do Mundo Antigo, a Bíblia é um livro muito bem preservado, em grande número de cópias antigas”.

Um ponto importante a se considerar é que os originais de fato não foram preservados. Quando se fala em manuscritos originais estar-se referindo às milhares de cópias que preservaram a mensagem bíblica no decorrer dos séculos.

Este assunto é tratado sob dois aspectos:

  1. Os manuscritos ou a origem usados na tradução, e;
  2. Os métodos de tradução desses originais.

Trataremos este assunto de maneira objetiva e sintética, pois há diversos detalhes envolvidos que poderiam mais confundir do que informar.

1.1. Texto Grego do Novo Testamento

Existem basicamente dois textos gregos que servem às traduções da bíblia. Ao todo eles somam mais de cinco mil cópias. São eles: Texto Crítico e Texto Recebido.

Texto Crítico


O Texto Crítico é baseado nos mais antigos manuscritos que se tem notícia.

Com data aproximadamente determinada entre os séculos II ao IV, ele é formado por apenas quatro manuscritos e “tem sido muito difundido desde o final do século XIX. Nos últimos anos tem havido uma tentativa de se aperfeiçoar esse texto, chamando-o de texto ‘eclético’”, conforme esclarece a Trinitarian Bible Society

Texto Recebido

(Textus Receptus)


O Texto Recebido (ou Textus Receptus, também chamado de texto majoritário e texto tradicional) é baseado na grande maioria dos manuscritos antigos, porém menos antigos que os relativos ao Texto Crítico. São datados dos séculos VIII a XV (final da Idade Média).

Como dissemos, existem mais de cinco mil cópias de manuscritos usados na tradução do Novo Testamento, e com relação ao Texto Recebido, a Sociedade Bíblica Trinitariana explica: “O grande número desses manuscritos apoia a chamada tradição textual bizantina (bizantina porque veio do mundo falante do grego da época). Esses manuscritos bizantinos formaram o que chamamos de texto tradicional do Novo Testamento. A representação mais bem impressa desse texto-tipo bizantino é o Textus Receptus (ou texto recebido)”.

Para Augustus Nicodemus, as diferentes versões da tradução bíblica não comprometem em nada a essência do Evangelho. (Imagem: Reprodução Voltemos ao Evangelho – Youtube).

Se há debate a respeito do melhor, se Texto Crítico ou Texto Recebido? Sim! Contudo, ao compararmos essas traduções vê-se que as diferenças são pouquíssimas. Divergem em questões que não afetam a teologia bíblica ou a posição central do evangelho.

1.2. Textos do Antigo Testamento

O Antigo Testamento foi escrito nos originais em hebraico – em sua grande maioria – e aramaico. Especificamente encontramos o aramaico em pequenos trechos do livro de Daniel (2:4-7:28), dois trechos de Esdras (4:8-6:18 e 7:12-26) e um versículo de Jeremias (10:11)

Os textos originais manuscritos que servem como base para as traduções em todas as partes do mundo são:

  • Texto Massorético;
  • O Pentateuco Samaritano;
  • A Septuaginta (versão grega do texto);
  • A Versão Siríaca e;
  • Os Targuns aramaicos.

Conforme expõe Luiz Sayão, “os principais manuscritos que são a base de todas as versões bíblicas são os do Texto Massorético”.

Subtítulo para Métodos de Tradução

Existem dois tipos de sistemas usados para a tradução tanto do Novo quanto do Antigo Testamento. São eles:

Equivalência Formal e

Equivalência Dinâmica


Na Equivalência Formal é feita a tradução literal palavra por palavra ou usando palavras equivalentes. Exemplo de tradução: Almeida Corrigida Fiel.

No método de tradução Equivalência Dinâmica é feita inicialmente a interpretação do texto no original e em seguida procura-se o sentido exato desse texto.

Neste sistema de tradução, mais flexível, está, por exemplo, a Nova Tradução na Linguagem de Hoje, assim como traduções parafraseadas como a Bíblia Viva e A Mensagem. Esta última é considerada como o extremo da equivalência dinâmica, ao tempo que as traduções Almeida Revista e Corrigida (da Sociedade Bíblica do Brasil) e a Almeida Corrigida Fiel (da Sociedade Bíblica Trinitariana) seriam o extremo da equivalência formal. Conforme o infográfico abaixo:

Infográfico para ilustrar os métodos de tradução da Bíblia
Infográfico “Métodos de Tradução da Bíblia”: apesar da variedade de traduções nenhuma diverge em elementos fundamentais do cristianismo. (Criação: O Elevador, oelevador.com).
Com informações de:
  1. GUIAME NOTÍCIAS. Luiz Sayão – Como identificar as melhores versões da Bíblia. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=agHkK2RXeJ0. Acesso em: 2 nov. 2019.
  2. SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL. Originais da Bíblia. Disponível em: https://www.sbb.org.br/a-biblia-sagrada/os-originais-da-biblia/a-preservacao-do-texto-biblico/. Acesso em: 2 nov. 2019.
  3. SOCIEDADE BÍBLICA TRINITARIANA DO BRASIL. O que o Cristão de hoje precisa saber sobre o Novo Testamento em Grego, Trinitarian Bible Society. Disponível em: https://biblias.com.br/artigo/o-que-o-cristao-de-hoje-precisa-saber-sobre-o-novo-testamento-em-grego. Acesso em: 2 nov. 2019.
  4. TOMAZINI, R. V. G; LANE, William Lacy; FARIA, Jonas Silva. A Importância do estudo das línguas originais da Bíblia. Revista Ensaios Teológicos, Rio Grande do Sul, v. 1, n. 2, p. 21-38, dez./2015. Disponível em: <http://ead.batistapioneira.edu.br&gt;. Acesso em: 2 nov. 2019.
  5. Evangelho, Voltemos Ao. “Augustus Nicodemus – Qual Tradução Da Bíblia Devo Usar?” YouTube, YouTube, 11 May 2012, www.youtube.com/watch?v=hhT5y6pYdL0.
  6. “A Formação Do Antigo Testamento Ou Da Bíblia Hebraica • Portal SBB.” Portal SBB, www.sbb.org.br/a-biblia-sagrada/os-originais-da-biblia/a-formacao-do-antigo-testamento-ou-da-biblia-hebraica/.
  7. “Nova Versão Transformadora.” Wikipedia, Wikimedia Foundation, 2 June 2019, pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Versão_Transformadora.
  8. Sayão, Luiz. “Os Manuscritos Hebraicos Da Bíblia.” Pleno.news, Pleno.news, 8 Jan. 2019, pleno.news/opiniao/luiz-sayao/os-manuscritos-hebraicos-da-biblia.html.
  9. Teológica, Bíbliateca. A Bíblia No Brasil – Bíbliateca Teológica, bibliateca.com.br/site/a-biblia-em-portugues/a-biblia-no-brasil. “Traduções Da Bíblia Em Língua Portuguesa.” Wikipedia, Wikimedia Foundation, 8 Oct. 2019, pt.wikipedia.org/wiki/Traduções_da_Bíblia_em_língua_portuguesa.

Imagens:

There are 2 comments

Seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s